Afinal, como posso avaliar a inteligência emocional no trabalho?

A inteligência emocional no trabalho pode fazer toda a diferença no sucesso de um profissional e também na sua relação com o restante da equipe, afetando o clima organizacional e o andamento dos projetos de uma empresa.

Por isso, muitos profissionais de recrutamento e seleção consideram essa característica na hora de avaliar o candidato a uma vaga.

Mas como mensurar a inteligência emocional de maneira justa e transparente? É sobre isso que vamos falar neste post. Se você quer melhorar o processo seletivo na sua organização, continue a leitura!

Por que a inteligência emocional no trabalho é tão importante?

Podemos definir a inteligência emocional como a capacidade de identificar e gerenciar as próprias emoções, sabendo o quanto elas afetam o seu comportamento. Ter inteligência emocional no local de trabalho significa saber como lidar com situações adversas e momentos de extrema pressão.

Pessoas com baixa inteligência emocional têm dificuldades no relacionamento com a equipe e costumam trazer os problemas pessoais para o trabalho, o que afeta completamente os seus resultados. Esse conceito assumiu um papel tão importante que já é visto como uma competência profissional, que pode ser determinante para que uma pessoa atinja altos níveis na carreira. Trata-se de uma característica indispensável principalmente para quem ocupa cargos de liderança.

Como avaliar a inteligência emocional?

Compreendendo a importância da inteligência emocional, podemos perceber o quão importante é para o RH, conseguir avaliar com clareza o grau de inteligência emocional dos candidatos a uma vaga, ou até mesmo dos seus funcionários. Essa análise pode ser feita por meio de algumas estratégias, e apresentamos aqui as principais.

Aplique testes

Os recrutadores podem usar testes que ajudam a mensurar a inteligência emocional de um candidato. A grande vantagem deste recurso é ter uma base de comparação bem clara entre os candidatos. Os testes mais conhecidos são o de Stanford-Binet e o Wechsler Adult.

Conte com a ajuda de um psicólogo

Um psicólogo tem a formação e os recursos necessários para fazer uma avaliação de inteligência emocional mais apurada e precisa. São diversos detalhes que podem passar despercebidos, por mais que o recrutador tenha experiência na função, e que o psicólogo é capaz de detectar.

Adote ferramentas tecnológicas

Embora tenham uma abordagem mais impessoal, algumas ferramentas ajudam a fazer a avaliação da inteligência emocional dos candidatos. Vale a pena apostar em uma dessas soluções para apoiar essa análise.

Terceirize o processo

Nós sabemos que a seleção de funcionários é um processo caro e lento. Terceirizá-lo pode ser uma excelente opção, principalmente quando você conta com headhunters capazes de selecionar os melhores talentos e por meio de entrevistas, fazer uma avaliação não só das competências intelectuais, como das emocionais.

Como esses profissionais têm uma vasta bagagem na seleção dos talentos mais qualificados, certamente vão apresentar opções que realmente atendam às necessidades da sua empresa, poupando tempo e preocupação do Recursos Humanos.

Com essas 4 estratégias, é possível avaliar a inteligência emocional no trabalho com assertividade e segurança, identificando assim as pessoas mais preparadas para assumir os cargos da sua empresa e enfrentar as adversidades sem que isso afete o seu rendimento ou a qualidade de vida.

Se você quer conhecer mais dicas que vão ajudar na escolha de profissionais, confira o nosso artigo com as etapas de um processo seletivo eficiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *